Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade.

Seis sintomas de que você é emocionalmente dependente

Seis sintomas de que você é emocionalmente dependente

25/12/2019

 

Você se considera uma pessoa com a saúde emocional forte? Às vezes ignoramos sinais de que precisamos trabalhar em nós mesmos. Será que este é o seu caso?

Ser emocionalmente dependente vai muito além de sentir que sua felicidade depende de outras pessoas. A principal causa da dependência emocional é a falta de confiança em si mesmo. Isso faz com que você não tenha autonomia para fazer coisas simples e precise de aprovação externa para seguir em frente.

Projetar suas realizações pessoais no que as outras pessoas pensam sobre você te torna incapaz de fazer qualquer coisa sozinho. Tomar decisões simples, por exemplo, pode se transformar em um processo torturante. Isso se baseia no medo da rejeição. Mas quais são, afinal, os sintomas da dependência emocional?

 

Dificuldade para dizer não e discordar as pessoas

Para muitos, dizer não pode ser simples. Para outros, o medo das consequências de discordar de alguém, especialmente em uma relação de hierarquia, é paralisante. É aqui que entra o medo da rejeição: dizer não pode descontentar alguém e, pior que isso, pode gerar punições. Mais que o medo de se sentir rejeitado, a grande preocupação é se sentir punido por ser insuficiente.

No meu canal no YouTube, há dois vídeos sobre o tema: um para as pessoas que se sentem rejeitadas e outro sobre como superar a rejeição. Vale a pena conferir! 

Incapacidade de se sentir bem sozinho

Um dos principais sintomas da dependência emocional é a incapacidade de ficar sozinho e se sentir completo. Quando não estamos à vontade com a pessoa que somos, procuramos em outras o que achamos que falta em nós. 

Normalmente essa insatisfação é decorrente de uma autocrítica desmedida, uma sensação de que o que fazemos nunca está bom o suficiente e que qualquer um poderia fazer melhor. Esquecemos de levar em conta a individualidade de cada um. Mais que isso, desconhecemos nosso potencial – e isso só se resolve com autoconhecimento e autorreconhecimento.

 

 

Insegurança nos relacionamentos, ciúme e possessividade

Dependência emocional e insegurança estão intrinsecamente relacionadas. Normalmente é a sensação de insegurança que faz com que usemos outras pessoas como muletas emocionais. Quando achamos que o que falta em nós está presente nos outros, queremos que estes “outros” permaneçam perto de nós. 

Isso faz com que sintamos medo de perder nossas muletas, o que gera sentimentos de ciúme e posse. Por nos acharmos insuficientes, nos sentimos ameaçados por outras pessoas, que, na nossa cabeça, podem “tomar nosso lugar”. O ciclo vicioso da dependência emocional se forma neste processo.

Incapacidade de traçar planos futuros sem incluir o outro

Na adolescência, por exemplo, começamos a pensar o que queremos ser “quando crescermos”. É a época de escolher o rumo profissional de nossas vidas, como e com o que queremos trabalhar. Este é o exemplo de uma situação em que normalmente se olha para dentro – é um excelente exercício de autoconhecimento.

Em casos como este, pensar em si mesmo não apenas é necessário como também fundamental. Não podemos basear decisões que mudarão nosso futuro com base em quem está conosco no presente. Num piscar de olhos, tudo pode mudar. O seu futuro é uma questão extremamente sua.

 

 

Se colocar constantemente em segundo plano

Existe uma linha tênue entre altruísmo e dependência emocional. Pensar nos outros é importante, sim, mas pensar apenas neles e esquecer de si pode indicar saúde emocional fragilizada. Além disso, quando você não pensa em si, ajudar as pessoas ao seu redor se torna muito
Vale lembrar que olhar para si é a melhor maneira de fortalecer o autoconhecimento. Quando você se conhece e entende profundamente o funcionamento de suas próprias emoções, ajudar os outros se dá de maneira mais natural e eficiente. 

 

 

 

Baixa autoestima e necessidade de aprovação

Os tópicos acima deixam claro que a baixa autoestima é uma das principais causas da dependência emocional. Ela é, na verdade, a causa original dos comportamentos de um dependente. Se sua autoestima está baixa, você provavelmente começará a buscar a aprovação alheia, o que faz com que você se desconecte de si próprio.

Se não estamos em contato com nós mesmos, a necessidade do outro aumenta e se transforma em urgência. Este é mais um processo que alimenta o ciclo da dependência emocional.

 

Dependência emocional não é uma doença, mas tem cura. A cura está dentro de você. É preciso que você repense sua relação com seu íntimo e se questione se a validação que você procura nos outros não é uma forma de compensar a o medo que você tem de si. É claro que, apesar de ser um processo interno e extremamente pessoal, a ajuda de um profissional capacitado é indispensável. 

É preciso que você respire, tome coragem e olhe para dentro da sua própria história. Quando foi que você se perdeu pelo caminho? Quais são os padrões comportamentais que você repete e nem se dá conta? Será que existem momentos felizes de autonomia esquecidos no seu inconsciente?

Estas são algumas das questões que eu abordo no Facebook, Instagram e YouTube. Se você busca soluções práticas, não deixe de conferir os cursos dos quais sou facilitador. Não tenho dúvidas de que juntos conseguiremos acessar a raiz dos seus problemas e traçar novos rumos, mais leves e emocionalmente equilibrados. 

 

O que achou do conteúdo?

Deixe o seu comentário aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados

Diferença entre sentimento e emoção: você consegue distinguir?

Quando falamos de sentimentos e emoções, costumamos colocá-los em um só lugar. Porém há mais diferença entre sentimento e emoção do que se imagina. Você consegue distinguir? Muitas pessoas não sabem disso e acham que é tudo uma coisa só. Essa falta de informação faz com que o emaranhado de emoções e sentimentos, leve você […]

Leia Mais >

O amor cura tudo? Sozinho é capaz de curar as feridas do coração?

Você acredita que o amor cura tudo? Resolvi falar sobre isso no artigo de hoje por uma razão muito simples. Uma das participantes das minhas aulas trouxe um questionamento muito semelhante. Refletindo sobre isso, percebi que assim como ela tinha essa dúvida, muitas pessoas também poderiam ter.  A pergunta dela direcionada a mim foi: “Ao […]

Leia Mais >

Cura emocional: o processo terapêutico pode ser o “remédio” ou o veneno

Quantas vezes você já ouviu alguém dizer que fez terapia e acabou se frustrando? Que não funcionou, o terapeuta não era bom, ou não gostou? Existem diversos relatos negativos relacionados à busca pela cura emocional. Mas qual o motivo de isso ser algo frequente?  Por que algumas pessoas parecem se beneficiar e outras, aparentemente, não […]

Leia Mais >

Veja todos os posts

arrow_forward