Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade.

Sensação de abandono: o que isso tem a ver com a gestação?

Sensação de abandono: o que isso tem a ver com a gestação?

29/03/2021

Você já ficou com a sensação de abandono? Por quem quer que seja, já sentiu estar sendo abandonado? Por um amigo, por seus pais, filhos, por algum namorado ou pelo seu marido? Quando chega o final de semana, fica em seu mundo particular e sente que ninguém procura ou se importa com você? É ruim, doloroso e mexe com os sentimentos mais profundos, não é mesmo? 

Essa sensação de abandono, automaticamente se mistura com o sentimento de solidão, de vazio e de não merecimento de uma vida rodeada de boas companhias. Sentir-se assim é realmente algo muito ruim, e, muitas vezes, quando somos acometidos por esse sentimento, acabamos criando mecanismos de enfrentamento para lidar com a situação. Comer demais, dormir além da conta, trabalhar mais que o necessário, viver com uma agenda cheia de compromissos, apenas para tentar se libertar da sensação de abandono e solidão. 

Buscar por essas maneiras de encarar essas dificuldades, é algo muito comum, já que somos capazes de fazer qualquer coisa para não deixar que esse sentimento nos invada, a ponto de interferir em nossas vidas. Mas, se você sofre com isso, também deve saber que todos esses mecanismos não resolvem o problema. Apenas amenizam, provisoriamente, a dor de se sentir só e de não se encaixar em alguns contextos sociais. 


Quando você sente de forma mais evidente? 

Você já analisou em quais momentos ou situações essa sensação de abandono e solidão ficam mais evidenciadas em sua vida?  Geralmente esse sentimento aparece mais à noite ou em momentos de lazer, quando a rotina e as demandas são mais tranquilas. Isso ocorre muito porque o silêncio externo traz à tona os ruídos internos. As questões mal resolvidas e os conflitos emocionais, se potencializam porque também precisam de atenção. 

A grande questão é: o que você faz para lidar com essas questões? A sensação de abandono, quando acomete de forma devastadora, pode acontecer mesmo quando se está rodeado de pessoas. Isso se deve ao fato de que a pessoa não consegue se conectar com os outros de forma verdadeira e profunda. É como se o que está a volta, nunca fosse o suficiente para completar esse vazio

Muitas vezes, pode acontecer por algumas questões que ocorreram  durante a gestação e na primeira infância, até os 7 anos de idade. Que é justamente o período em que se cria a personalidade e as percepções sobre o mundo, que nortearam nosso modo de ser, pensar, agir e sentir. 

Durante a fase intrauterina é quando geralmente se criam os maiores aprendizados emocionais, que podem ser reforçados ou atenuados posteriormente. É claro que por aprendizados, devemos considerar tanto as coisas positivas quanto as negativas. E essas vivências, que nos ensinam como devemos encarar o mundo, nem sempre são corretas. São apenas o que se aprendeu, mas não necessariamente uma verdade. Contudo, são justamente as que deixam mais impactos em nosso ser. Traumas e choques nos fazem crescer, mas exercem, na grande maioria das vezes, influências negativas sobre nossos comportamentos.

Esses episódios, servem como gatilhos. Mesmo que não sejam diretamente relacionados aos contextos traumáticos, servem como impulsionadores de padrões comportamentais baseados nesses aprendizados. 

 

Quer dizer que a sensação de abandono pode vir desde a gestação? 

Sim. De um modo geral, a sensação de abandono e solidão é um reflexo de acontecimentos do período intrauterino. Se dentro do ventre materno há, mesmo de forma involuntária, alguma situação que remeta a esses sentimentos, pode se criar uma percepção errada sobre o seu próprio senso de valor. Futuramente, isso pode fazer com que a pessoa se sinta desvalorizada, abandonada e só. 

Se uma mãe passa a gestação inteira falando sobre a sua dor, por conta de o pai a ter abandonado quando soube da gravidez, o feto pode interpretar que aquela dor, é culpa sua. Ou até mais: toma aquele sofrimento para si, e passa a sentir-se abandonado pelo seu pai, de forma inconsciente, é claro. Esse aprendizado, portanto, acompanha esse ser pelo resto da vida, mesmo implicitamente, e pode criar percepções e expectativas erradas sobre o mundo ao seu redor. 

Porém, essas memórias não são acessadas de maneira tão simples assim. Não é como buscar em suas lembranças o momento em que pode ter se criado um aprendizado sobre isso, é preciso ir um pouco mais além. Se aprofundar nesse período, saber o que aconteceu com você e com a sua mãe. Entender o ambiente em que esteve inserido enquanto estava sendo gerado, perceber situações que aconteceram à volta e que podem contribuir para essa sensação de abandono que acompanha a sua jornada. 

 A boa notícia, é que apesar de não ser simples chegar até este ponto, é totalmente possível. O próprio campo da Psicologia Pré e Perinatal, possui diversas técnicas e abordagens capazes de facilitar esse processo. Como é o caso da terapia de regressão intrauterina, por exemplo. 

Ela permite enxergar muito além do que se sabe sobre a própria história. É um passo além, para a busca do autoconhecimento e da compreensão sobre si mesmo. 

 

O que achou do conteúdo?

Deixe o seu comentário aqui

3 Respostas para “Sensação de abandono: o que isso tem a ver com a gestação?”

  1. Sonia Cabrera disse:

    Conteúdo muito, muito rico, inclusive eu tenho sérias pretensões de participar de uma imersão destas, porque acredito que tenho cá minhas complicações nestes aspectos. O que me impede no momento é a situação financeira, mas tenho comigo que seja uma libertação e tanto. Pretendo fazer, participar de uma vivencia destas. Show!

  2. Rosalina Ferreira da Rocha disse:

    Muito interessante o artigo! Nós leigos muitas vezes não temos noção de muitos porquês na nossa vida. Manoel Augusto eu tenho aprendido muito com seus ensinamentos. Obrigada. Muita gratidão mesmo.

  3. Heloísa dos Passos de Freitas disse:

    Muito bom. Parabéns pelo artigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados

Traumas intrauterinos já podem ser tratados

Traumas intrauterinos já podem ser tratados Especialista em Psicologia Pré e Perinatal abre vagas para experiência única e exclusiva no Brasil para tratar traumas intrauterinos. Por meio de regressões é possível acessar memórias do que vivemos na barriga de nossa mãe e transformar nossa vida hoje à partir dos padrões de comportamento desenvolvidos naquele período […]

Leia Mais >

No útero, gêmeo com poucas chances de sobrevivência segura a mão da irmã

Os gêmeos aparecem de mãos dadas no ultrassom (Foto: Reprodução/ Fox8) Créditos: Matéria originalmente reproduzida da Revista Crescer online – 18 de fev de 2016 A gravidez de Britani McIntire tem sido difícil desde o início. Ela e o marido, Ian, já eram pais de duas meninas e não planejavam aumentar a família, quando descobriram […]

Leia Mais >

Fase intrauterina: você conhece a Psicologia Pré e Perinatal?

Você já ouviu falar em Psicologia Pré e Perinatal? Essa é a abordagem que estuda o comportamento humano na fase intrauterina, acompanhando nosso desenvolvimento desde a pré-concepção, que ocorre até 3 meses antes da concepção, até a primeira infância com 2 anos de idade.  O objetivo é relacionar as vivências da fase intrauterina e pós-nascimento […]

Leia Mais >

Veja todos os posts

arrow_forward