Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade.

Quando a vida começa? E os aprendizados emocionais?

Quando a vida começa? E os aprendizados emocionais?

25/01/2021

Quando a vida começa? Você já pensou sobre isso ou tem certeza de que tudo tem início no momento do nascimento? Acredita mesmo que o que acontece na gestação não serve como um aprendizado? Durante muito tempo, essa foi a verdade conhecida por todos. O que não é ruim, cada um tem o direito de acreditar naquilo que quer, não é mesmo? Até pelo fato de que muitas linhas da psicologia afirmam que nossas vidas se iniciam a partir do nascimento.  E sobre os aprendizados emocionais, você já se questionou em que momento são formados? 

No conteúdo de hoje, eu quero te ajudar a considerar outras possibilidades sobre quando a vida começa e nossos padrões emocionais são criados. Então, se você topa olhar para isso sob o ângulo de outra janela – talvez nunca percebida –  te convido a continuar a leitura. 

Veja as coisas ao seu redor considerando uma nova perspectiva 

Quantas vezes você já tentou controlar as suas emoções e não conseguiu? Mesmo dedicando muita energia, elas insistiam em estar ali? Lidar com as emoções não é nada fácil e muitas vezes pode ser um fracasso. O que acontece, é que as pessoas costumam achar que reprimi-las ou aceitá-las seja o caminho do sucesso. Mas, não é bem assim. Só haverá êxito nessa jornada ao aprender a entender como elas funcionam e quais são suas origens. O que, na verdade, é um passo muito importante para “reprogramar” essas emoções. 

As informações que quero compartilhar, de forma alguma tem o intuito de desmerecer todo o trabalho de psicologia realizado até então. O objetivo é apenas apresentar uma nova perspectiva que complementa todos os estudos já desenvolvidos.

Trazendo essa questão de complementação de forma mais análoga, é como olhar para o campo da genética. Durante muito tempo houve dedicação em pesquisas que culminaram na descoberta do nosso DNA, dos nossos genes herdados e outras situações relacionadas a nossa genética. Posteriormente, surgiu uma nova linha, a epigenética que ampliou a perspectiva de algo que não havia sido considerado antes. No caso, os estudos iniciais indicavam que nossos genes eram imutáveis. Aprofundando mais nessas questões, perceberam que não. Eles podem ser modificados, mas até então ninguém havia prestado atenção a um detalhe:  as proteínas existentes na dupla hélice. Justamente elas que fazem toda a diferença no DNA humano. 

O trabalho da epigenética não era discutir se os genes existiam ou não, mas sim entender como eles se expressavam. Foi constatado, então, que aquela “janela fechada” era o que definia isso. Por isso eu estou propondo que você faça o mesmo, sobre a maneira de pensar em quando a vida começa. 

Um novo olhar sobre o início da vida e dos aprendizados emocionais 

Assim como no campo da genética, o mesmo ocorre em outras áreas, como na própria psicologia. De fato, durante muito tempo as afirmações sobre o início da vida apontavam para uma única data: o nascimento. Mas, na década de 80, a psicanalista italiana Alessandra Piontelli, descobriu uma nova perspectiva para observar sobre isso. O trabalho revolucionário feito por ela consistia em acompanhar as ultrassonografias feitas em gestantes que toparam o acompanhamento e a continuidade dessa análise depois do nascimento. 

Os exames eram mais demorados e detalhados, durante mais de uma hora, Piontelli observava e fazia anotações sobre o comportamento intrauterino do feto. Ela ficou fascinada com o que testemunhou, principalmente na interação que ocorria em uma gestação gemelar. O acompanhamento pós-nascimento foi ainda mais fascinante: ela constatou que ao longo do crescimento dessas crianças, os mesmos comportamentos se repetiam. O mais incrível nisso tudo, é que além de constatar que os aprendizados emocionais se iniciavam ali na barriga da mãe, foi perceber que os comportamentos e as emoções dessa fase continuam se repetindo de forma “automática” ao longo da vida. 

Aliás, se você quiser entender sobre esse estudo de maneira mais aprofundada, indico a leitura do livro publicado por Piontelli, intitulado “De feto a criança: um estudo observacional e psicanalítico”

Mas enfim, o que queria expor com isso, é que há estudos muito interessantes que apresentam uma nova perspectiva de que nossas emoções se iniciam em um momento muito precoce da nossa vida. Se não concordasse nem um pouco com isso, acharia que não tem sentido algum a mãe conversar com a barriga… e acredito que você não pense assim! 

Você conseguiu entender quando a vida começa, sob outro ponto de vista?

Até aqui, acredito que já deu pra entender quando a vida começa. Mas, lembra que lá em cima eu trouxe à tona o fato de, muitas vezes, não conseguirmos lidar com essas emoções? “Sim. Só não entendi qual a relação de uma coisa com a outra, Manoel.”

Vou explicar de forma clara: somos feitos de emoções. Quando a vida começa, os aprendizados emocionais também se iniciam. São sensações e experiências “enraizadas” em nós e que podem nos acompanhar, desde esse início. 

Você acha que é fácil domar os sentimentos, pensamentos e comportamentos que fizeram parte de toda a sua vida? É preciso entender suas origens e compreender o que leva a ter certas atitudes, que no fim das contas, você sabe serem nocivas. E sabe como é possível fazer isso? Acessando as memórias armazenadas nesse período, conectando-se com sua essência. 

Antes de aprender a lidar com as suas emoções, é preciso investigar – em camadas bem mais profundas – o que realmente aconteceu com você e o que motiva padrões comportamentais e pensamentos disfuncionais. Esse é o caminho mais saudável para que possa reorganizar e realinhar os aprendizados incorretos e incompletos que a vida possa ter lhe apresentado, ainda de forma precoce. É preciso ir além para modificar a maneira como você se relaciona com as suas emoções.  

Para colocar essas sensações no prumo, não há uma pílula mágica e nem acontece de uma hora para outra. Isso faz parte de um processo profundo de autoconhecimento que vai colaborar para desvendar os seus mistérios. Além de expandir a sua consciência sobre o seu alinhamento com as suas emoções. Se isso tudo faz sentido para você, certamente vai gostar de conhecer um pouco mais sobre o meu workshop online MIRE – Método Integrativo de Reconexão do EU e sobre o curso online explorando a psicologia pré e perinatal. 

 

O que achou do conteúdo?

Deixe o seu comentário aqui

Uma responsta para “Quando a vida começa? E os aprendizados emocionais?”

  1. Andrea disse:

    Excelente artigo, bem elucidativo!
    Muito obrigada! 🙂

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados

Traumas intrauterinos já podem ser tratados

Traumas intrauterinos já podem ser tratados Especialista em Psicologia Pré e Perinatal abre vagas para experiência única e exclusiva no Brasil para tratar traumas intrauterinos. Por meio de regressões é possível acessar memórias do que vivemos na barriga de nossa mãe e transformar nossa vida hoje à partir dos padrões de comportamento desenvolvidos naquele período […]

Leia Mais >

No útero, gêmeo com poucas chances de sobrevivência segura a mão da irmã

Os gêmeos aparecem de mãos dadas no ultrassom (Foto: Reprodução/ Fox8) Créditos: Matéria originalmente reproduzida da Revista Crescer online – 18 de fev de 2016 A gravidez de Britani McIntire tem sido difícil desde o início. Ela e o marido, Ian, já eram pais de duas meninas e não planejavam aumentar a família, quando descobriram […]

Leia Mais >

Fase intrauterina: você conhece a Psicologia Pré e Perinatal?

Você já ouviu falar em Psicologia Pré e Perinatal? Essa é a abordagem que estuda o comportamento humano na fase intrauterina, acompanhando nosso desenvolvimento desde a pré-concepção, que ocorre até 3 meses antes da concepção, até a primeira infância com 2 anos de idade.  O objetivo é relacionar as vivências da fase intrauterina e pós-nascimento […]

Leia Mais >

Veja todos os posts

arrow_forward